sábado, 23 de julho de 2011

ºEDIVAL RAMOSA

EDIVAL RAMOSA
(1940: São Gonçalo, RJ)
Após tomar parte no batalhão brasileiro que ficava em Suez, no ano 1962 Edival Ramosa começou a percorrer a Europa toda visitando os museus e as galerias de arte de muitas capitais. Só dois anos depois foi morar en Milão e o ano 1965 foi o inicio da sua atividade publica como artista. Pintor e escultor.
“A arte de Edival Ramosa combina o rigor formal a uma acentuada pesquisa da ancestralidade, sendo o artista, como é, de origem indígena. (...) se no intervalo europeu de sua carreira predominavam os elementos da visualidade urbana, representados por sinais de tráfego, insinuações publicitárias e cinéticas, no brasileiro parecem conviver a metrópole e o clã (...)” (LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. p. 431)
 

° MITOLOGIA CHINESA

Dragão (long em chinês e ryu em japonês) segundo a mitologia chinesa, foi um dos 4 animais sagrados convocados por Pan Ku (o deus criador) para participarem na criação do mundo.
O dragão chinês é uma criatura mitológica que aparece também em outras culturas orientais. Descrito como uma criatura semelhante a uma serpente de quatro garras, o dragão chinês tem sido por muito tempo um símbolo poderoso na arte chinesa. Os dragões chineses controlam a água nas nações de agricultura irrigada.
Hoje em dia, o drgão é mais usado para fins decorativos. É um tabu para deformar uma representação de um dragão; por exemplo, uma campanha da propaganda da Nike, que caracterizou o jogador de basquetebol americano LeBron James que matava um dragão (além de bater num mestre velho de KungFu), foi imediatamente censurada pelo governo chinês após o protesto público sobre o desrespeito.
Um número de provérbios e de dialetos chineses também caracteriza referências ao dragão, por exemplo: "Esperando o único filho virar dragão" (望子成龍, também é tão bem sucedido e poderoso quanto um dragão).