segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Os Pássaros de Miguel Hachen

Os Pássaros de Miguel Hachen
Argentino, brasileiro, iguaçuense, índio, gaúcho, gringo, caipira, urbano. Todas essas palavras não definem quem é Miguel Hachen. O argentino que estudou Artes Plásticas na Associação Estímulo de Belas Artes e na Nova Escola de Artes Visuais, ambas em Buenos Aires.
Miguel passou a infância em um pequeno vilarejo distante da área urbana onde conviveu com índios e gaúchos. Com eles Miguel brincava, pescava, e absorveu os costumes guaranis, para mais tarde desenvolver sua própria linguagem artística, o Neo Guarani.
Miguelito, como também é conhecido, afirma que a Terra das Cataratas o encantou por muitos fatores, e em cada obra que começa, está na verdade buscando a si mesmo. “Eu tenho essa pinta de gringo, mas sou na verdade um homem do mato, eu busco me encontrar em cada um dos meus trabalhos”.

Fonte: http://www.clickfozdoiguacu.com.br/pagina/miguel-hachen-o-artista-que-busca-a-si-proprio-em-cada-obra

Folclore Brasileiro e a Cultura Popular

Folclore Brasileiro


A palavra folclore é de origem inglesa. A termo "folk", em inglês, significa povo, enquanto "lore" significa cultura.
O Folclore é o conjunto de manifestações de caráter popular de um povo, ou seja é o conjunto de elementos artísticos feitos do povo para o povo, sempre ressaltando o caráter de tradicional destas representações, sempre transmitidas de uma geração para outra através da prática (os pais ensinam aos filhos, que desde pequeninos já praticam).
Lembrando que as manifestações folclóricas brasileiras, na sua grande maioria são manifestações de caráter de um povo mestiço, ou seja, sofrem influência de diversas raças, mas apresenta características próprias e que também a grande  maioria são manifestações completas em caráter artístico, pois possuem elementos do Teatro, Dança, Musica e Artes Plásticas.
Uma homenagem ao artista Tito Lobo Lobo que produz suas obras inspiradas no folclore e nas tradições com seu belíssimo trabalho. 
veja as produções dos alunos da Escola Municipal Valentim João da Rocha.

Edgard de Souza

EDGARD DE SOUZA 


Sem título, 1995, litografia, tiragem: 54/60, 21,2 x 15,2 cm, editada pelo MAM-SP.


Edgard de Souza (São Paulo SP 1962). Pintor, escultor, desenhista e gravador. Inicia estudos artísticos na Faculdade de Artes Plásticas da Fundação Armando Álvares Penteado, em São Paulo; licencia-se em 1984. Na faculdade, entra em contato com artistas ligados à arte conceitual, em especial Nelson Leirner. Além de objetos tridimensionais, executa desenhos, gravuras e pinturas. Entre 1998 e 1999, elabora uma série de cibachromes, técnica fotográfica na qual o artista se retrata em luta e interação consigo mesmo. Desde a década de 90, participa de importantes mostras no Brasil e no exterior. Em 2000, a editora Cosac & Naify publica o livro Edgard de Souza, de autoria do crítico Carlos Basualdo. 

Os alunos da Escola Municipal Valentim João da Rocha fizeram interferências na obra do artista e o resultado foi muito divertido!